quinta-feira, 1 de abril de 2010

Nada conturbado...

Vou contar a história de um show do ano passado...nem lembro a data. Tudo o que lembro é que foi muito emocionante, e não foi por causa do som. Eu estava indo de São Bernardo pro Ao Vivo em Moema, saí relativamente cedo pra chegar tranqüilamente, passar o som e fazer o show. Não tinha nada pra dar errado, certo? Hehehe, até parece. Sempre alguma coisa pode dar errado, primeiro que pra variar o trânsito em São Paulo estava um ó. Eu fiquei presa, o Fábio ficou preso, cada um em ponto diferente da cidade, mas até aí tudo bem, saí mais cedo, ia chegar em cima da hora mas ia chegar...nada, o carro resolveu que ia parar, e é claro que o carro nunca quebra em frente a um posto ou mecânico, ele quebra na faixa do meio da Av. Indianópolis, com o trânsito caótico. Estávamos eu e a minha mãe, com pasta, bolsa, câmera e o carro parado. Não me desesperei, falei os 1400 palavrões que me vieram a cabeça e inventei mais meia dúzia. Perdi uns 10 litros de água, pq nessas situações a gente não emagrece mas perde líquido. É claro que o celular nesse momento não funcionou. Depois de uns 10 minutos de desespero e raiva (é eu sou exagerada) eu consegui falar com um dos meninos e ele foi me buscar. O carro? Ficou lá, na rua. Meu pai foi com o mecânico buscar depois. Eu cheguei no Ao Vivo, descabelada...um glamour total. Me recompus. Tentei dar um jeito no cabelo, no rosto, mas não resolveu muito não, respirei fundo, usei meu sorriso mais convincente e fui cantar. No final, deu tudo certo apesar de dar tudo errado...tá aí o vídeo pra provar.
Ah um dia eu conto de quando o outro carro quebrou na praça da Sé as dez da noite comigo, minha mãe e minha amiga Débora...